RSS

Arquivo da categoria: gaturamo

>O retorno dos convivas 2

>O amarelo com preto (ou será azulão, quem sabe roxo?) também foi encarar uma banana.

 
1 comentário

Publicado por em 05/06/2011 em gaturamo, itapoá, pássaros, praia

 

>Pássaros e mais pássaros…

>

Para contentar meu marido vou postar algumas fotos escolhidas por ele. Segundo ele próprio, existem pessoas interessadas só nos pássaros e não nas molduras. Aliás, sou obrigada a concordar.
Então aqui estão algumas fotos dos pássaros que aparecem lá na praia no inverno, sem molduras nem enfeites.

























 

>Ilustres visitantes!!!

>

Pássaros e mais pássaros. Entra ano e sai ano e não nos cansamos de ver essa maravilha da natureza. Das mais variadas cores e tamanhos. Tem pra tudo que é gosto! Grandes, pequenos, médios, verdes, amarelos, pretos, azuis, uma infinidade. Já se acostumaram tanto com a presença de humanos que nem se afastam mais ao perceberem nossa presença. Recebi de um pescador a informação que são pássaros de inverno e que daqui uns dias não aparecem mais. Devem ir para outras paragens atrás de melhor acolhida. Quem sabe o clima de verão aqui não seja lá tão agradável pra eles. Só nos resta aproveitar sua presença durante o inverno, apreciar sua beleza, ouvir seu canto e conviver com eles enquanto podemos.

Por incrível que pareça, isso voa. Chama-se ARACUÃ

Verde:

Vermelho e preto: Tié-sangue

Marrom:

Azul com preto: Saí-verde

Outro tipo de azul com preto: Saíra azul

Cores fortes: Saíra-militar

Mini bem-te-vi:

Saíra:

Amarelo e preto: Gaturamo

Não são maravilhosos? Melhor que isso, só duas vezes.
Já que tu não estavas lá comigo, aproveita e curta as fotos, que, por sinal, foram tiradas pelo meu marido, porque eu de fotógrafa sou muito “sem noção”. Se clicares na imagem, ela fica bem maior.

 

>Pássaro preto e amarelo

>

http://youtube.com/v/E6Hw9ZhZVm8

Mais uma ida à praia. Desta vez apareceram os amarelos e pretos. Tão pretos que chegam ser roxos. E aparecem aos bandos. Tão mansinhos que deixam a gente chegar bem perto. Continuam comendo suas bananas e cantando alto, nem ligam para nossa presença intrusa. É como se fossem condescendentes com esses seres inferiores, que somos nós, que não sabemos nem voar como eles; coisa básica. Muito menos cantar como eles. Temos muito, mas estamos longe de chegar àquela perfeição. São belos, puros, encantadores, poderosos e grandiosos.

 
 
 
%d blogueiros gostam disto: