RSS

Arquivo da categoria: pássaros

>Ilustres visitantes!!!

>

Pássaros e mais pássaros. Entra ano e sai ano e não nos cansamos de ver essa maravilha da natureza. Das mais variadas cores e tamanhos. Tem pra tudo que é gosto! Grandes, pequenos, médios, verdes, amarelos, pretos, azuis, uma infinidade. Já se acostumaram tanto com a presença de humanos que nem se afastam mais ao perceberem nossa presença. Recebi de um pescador a informação que são pássaros de inverno e que daqui uns dias não aparecem mais. Devem ir para outras paragens atrás de melhor acolhida. Quem sabe o clima de verão aqui não seja lá tão agradável pra eles. Só nos resta aproveitar sua presença durante o inverno, apreciar sua beleza, ouvir seu canto e conviver com eles enquanto podemos.

Por incrível que pareça, isso voa. Chama-se ARACUÃ

Verde:

Vermelho e preto: Tié-sangue

Marrom:

Azul com preto: Saí-verde

Outro tipo de azul com preto: Saíra azul

Cores fortes: Saíra-militar

Mini bem-te-vi:

Saíra:

Amarelo e preto: Gaturamo

Não são maravilhosos? Melhor que isso, só duas vezes.
Já que tu não estavas lá comigo, aproveita e curta as fotos, que, por sinal, foram tiradas pelo meu marido, porque eu de fotógrafa sou muito “sem noção”. Se clicares na imagem, ela fica bem maior.

Anúncios
 

>Mais um pouquinho das férias…

>

Nunca é demais falar do que é bom. Ainda mais quando esse bom significa que o filho voltou pra casa depois de 5 meses fora. É muito bom matar a saudades e curtir o “rebento”. Os dias são pequenos para colocar as novidades em dia, falar das coisas que aconteceram, do que foi feito, do que não foi feito… tê-lo por perto. Mãe é tudo igual mesmo e, como dizem as más línguas, só mudam de endereço. Filho é feito pro mundo, desde que esse mundo seja aqui do lado de casa. kkkk
Sonho de consumo!!!Mas seria bom. Do ladinho da gente, pra sempre!!!

Nós 4: Yves, eu, Neca e Sérgio

Além de tudo isso, ainda temos os pássaros que sempre aparecem pra dar um alô pra gente. São espetaculares! Parecem até irreais de tão lindos que são. Não nos cansamos de admirá-los e passamos horas do dia fazendo isso. Com a máquina do lado, claro! Eles, exibidos que são, se deixam fotografar. Parece que querem se mostrar ao mundo. Talvez por isso seja tão fácil aprisioná-los. Mansos que são! Só admitimos esse tipo de prisão para eles: a da máquina fotográfica. O resto merece prisão perpétua.
Imagine agora uma coisa vermelha, muito vermelha… uma Ferrari, por exemplo. Esse pássaro é tão vermelho quanto, só que mais belo…belíssimo. É o mais arisco de todos. Manda a fêmea sondar o terreno antes de descer para ver se está tudo tranquilo. O pequeninho ao lado, chamamos de mini Bentevi pois é muito parecido com ele mas bem menor. De todos ele é o mais dócil, chega a subir na mesa onde estamos quando o bebedouro está lá para tomar água. Doce criaturinha. E tão indefesa… A natureza, realmente, é um espetáculo!

O mini Bentevi e o vermelhão

Muito mais vermelho, muito mais lindo que uma Ferrari! E ainda voa!!!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 22/01/2010 em férias, itapoá, pássaros

 

>Olhar

>

Um velho companheiro

Acredito que as pessoas gostam de ver do que estou falando, por isso posto as fotos junto com o texto que escrevo. Com o passar do tempo, fui modificando o formato das postagens, falando mais, expondo minhas idéias e o que me vai na alma. Arrumo as fotos com muito cuidado e tento combinar as molduras com o que está dentro. Ainda não sei bem se escrevo para as fotos ou se as fotos me fazem escrever. O fato é que gosto de escrever, gosto de fotos (sou péssima nisso! a maioria foi tirada pelo meu marido) e adoro enfeites. A maior parte das molduras pego no site do Jackson Ângelo, que tão gentilmente disponiliza gratuitamente pra gente ( o link dele está ali do lado diretito, na coluna lateral). Tentei juntar tudo aqui e deixar agradével pra quem lê e olha.

Já ouviram falar de “dar doce às crianças”? Elas pulam pra pegar feito abelha no mel. Uso o termo pra identificar quando gostamos muito de fazer alguma coisa e vamos fazer. Quando temos a vida já estalizada, filho criado, lugar pra morar, comida pra colocar na mesa, essas coisas básicas, ou não tão básicas assim; procuramos achar coisas que nos agradem pra passar o tempo ocioso. E vamos descobrindo outros universos que fazem parte do nosso cotidiano e, pela mesmice que vai tomando conta da gente, nem notamos que estava ali há muito tempo. Só faltava ser apreciado. Estou fazendo isso agora, prestando mais atenção ao que está ao meu redor. Aquelas pequenas coisas deliciosas que já estavam lá e eu não tinha visto.
Ultimamente quando vamos à praia, viramos criança novamente e a primeira coisa que lembramos de cocolar no carro é banana e máquina fotográfica. O resto podemos até esquecer.
Carregar bananas por 120km? Será que lá não teria bananas pra vender? É claro que tem. O que não temos é paciência de esperar o outro dia, pois geralmente saimos daqui à noite, pra ir no mercadinho comprar a fruta. Ela já tem que estar lá quando meu marido acorda pois os passarinhos não podem esperar. São o “nosso doce”. Aquele que damos as crianças. E as crianças, é claro, somos nós.
Esses pássaros maravilhosos foram clicados na mesma viagem que levei o Átila pra praia. Uns são novos, já tínhamos visto antes mas muito de longe. Eles são muito ariscos, não chegam perto. Dessa vez resolveram nos presentear com a sua presença. Outros já são velhos conhecidos, mas não menos queridos e estão aqui, de novo, para alegrar nossos olhos.

Esses também são prata da casa…

O mais manso de todos sempre aparece

A novidade: o debutante arisco

E isso voa, por incrível que pareça…

 
8 Comentários

Publicado por em 29/09/2009 em pássaros, praia

 

>Pássaro preto e amarelo

>

http://youtube.com/v/E6Hw9ZhZVm8

Mais uma ida à praia. Desta vez apareceram os amarelos e pretos. Tão pretos que chegam ser roxos. E aparecem aos bandos. Tão mansinhos que deixam a gente chegar bem perto. Continuam comendo suas bananas e cantando alto, nem ligam para nossa presença intrusa. É como se fossem condescendentes com esses seres inferiores, que somos nós, que não sabemos nem voar como eles; coisa básica. Muito menos cantar como eles. Temos muito, mas estamos longe de chegar àquela perfeição. São belos, puros, encantadores, poderosos e grandiosos.

 
 

>Outro Visitante ilustre…Chlorophanes spiza

>Esse foi devidamente filmado. Claro que por amadores. Estão tão acostumados com a gente que deixam chegar bem pertinho. Visitante da casa da praia. Muito azul e cantante. É da gente ficar pensando como pode alguma coisa ser tão bela? É de um azul tão profundo e puro, parece pintado à mão. Uma obra-prima. Um espetáculo.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 02/06/2009 em pássaro azul, pássaros, Saí-verde

 

>Visitante Ilustre

>Muito arisca pousou no muro aqui de casa. Não as vejo muito aqui perto de casa. Voam alto, geralmente em bandos. Lá no RS chamamos de Caturritas. Já ouvi falarem que aqui no Paraná são Maritacas. São lindas, muito verdes e barulhentas. Confundem-se com as folhas das árvores. Acho que ela deu uma paradinha pra descansar, tenho a impressão que era novinha. Tinha as penas da face meio alaranjadas, como se alguém tivesse forjado um rubor pueril. Fizemos um silêncio profundo e andamos abaixadinhos para chegar até janela e tirar a foto sem que ela nos percebesse. Capturamos o momento sem a devida permissão, como crianças. Sem ferir, sem magoar, inocentemente.

 
1 comentário

Publicado por em 31/05/2009 em pássaros

 

>Na minha casa tem pássaros de todas as cores

>Canção do exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Gonçalves Dias

Esses não são Sabiás mas são espetáculos da natureza. Eles aparecem lá na praia, quando o movimento de pessoas é baixo. Nos fartamos de observá-los e de tirar fotografias, só nos permitimos essa maneira de aprisioná-los. É o hobbie do meu marido. Já se acostumaram conosco e sabem que não lhes faremos mal algum. Deixam-nos chegar bem perto. São colírios para nossos olhos de tão belos. Passamos horas admirando a beleza ímpar desses seres que podem voar, cantar lindamente e nos causar tanta inveja.
Só nos resta prestar um tributo a eles. Essas criaturinhas tão pequenas e tão imensamente encantadoras.

 
 
%d blogueiros gostam disto: